sábado, 19 de janeiro de 2019

"Os Loucos da Rua Mazur - Opinião"

João Pinto Coelho

Só não estou em "choque" porque já conhecia os factos históricos nos quais o autor se baseou para escrever o livro. No entanto, a forma como João Pinto Coelho construiu a narrativa deixa-nos em sobressalto até ao fim do livro. Acompanhar os três personagens do livro é uma aventura de horror por vezes e, por outras, uma delicia e um hino ao amor e à inocência.
As atrocidades cometidas contra os judeus, é do conhecimento mundial, se bem que, pormenores deste tipo, escapam aos livros de história, pois só os estudiosos conhecem o horror por detrás da guerra e dos principais responsáveis: os nazis.
Em tempo de guerra as pessoas enlouquecem, mas, os mais loucos, veio a verificar-se, não estavam no manicómio ao fundo da Rua Mazur. Estavam cá fora e eram bem mais perigosos. 
Confesso que não é fácil falar sobre este livro, a impressão que nos deixa é tão atroz que quase paralisa. Imaginar que homens e mulheres que se dizem bons cristãos, um dia atentaram contra os da sua espécie só porque eram judeus, é avassalador. Não se recomenda aos espíritos mais sensíveis que o leiam, mas atrevo-me a dizer que devia ser obrigatória a sua leitura. Quiça fazer parte do plano Nacional de leitura. Porque não? A lição a tirar destes factos é tão forte e pedagógica que os nossos jovens deviam conhecê-los.
Recomenda-se o livro e o autor vivamente. Parabéns João Pinto Coelho, e que venham mais.

O AUTOR


João Pinto Coelho nasceu em Londres em 1967. Licenciou-se em Arquitetura em 1992 e viveu a maior parte da sua vida em Lisboa. Passou diversas temporadas nos Estados Unidos, onde chegou a trabalhar num teatro profissional perto de Nova Iorque e dos cenários que evoca neste romance. Em 2009 e 2011 integrou duas ações do Conselho da Europa que tiveram lugar em Auschwitz (Oswiécim), na Polónia, trabalhando de perto com diversos investigadores sobre o Holocausto. No mesmo período, concebeu e implementou o projeto Auschwitz in 1st Person/A Letter to Meir Berkovich, que juntou jovens portugueses e polacos e que o levou uma vez mais à Polónia, às ruas de Oswiécim e aos campos de concentração e extermínio. A esse propósito tem realizado diversas intervenções públicas, uma das quais, como orador, na conferência internacional Portugal e o Holocausto, que teve lugar na Fundação Calouste Gulbenkian, em 2012. Perguntem a Sarah Gross é o seu primeiro romance.
Em 2017, venceu o Prémio Leya com o romance Os Loucos da Rua Mazur.


quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

"Novidade - O Príncipe da Meia Noite"


SINOPSE
Lady Leigh Strachan tem sede de vingança. Após o violento massacre da sua família, está determinada a ver sofrer aqueles que lhe destruíram a vida. Mas, para isso, precisa de aprender a disparar uma pistola, a manejar uma espada, a montar um cavalo… e a única pessoa que a poderá ajudar é o lendário Seigneur du Minuit - o Príncipe da Meia-Noite.

Mas, ao encontrá-lo, Lady Leigh depara-se com um cenário inesperado: o outrora ágil e sedutor salteador encontra-se debilitado e a viver num castelo em ruínas com apenas um lobo por companhia. A jovem, porém, não desiste. Pois não acredita na derrota do herói cuja fama ainda corre de boca em boca… e não resiste ao seu olhar, no qual brilha ainda uma chama feroz.

Conseguirá Leigh despertar o tão amado Príncipe da Meia-Noite, fazer correr novamente nas suas veias o sangue de um bandido?

E será isso que ela realmente quer?

A AUTORA


Laura Kinsale, autora bestseller do New York Times, é vencedora do prémio Best Book of the Year da Romance Writers of America, e presença frequente nas listas de nomeados. Após uma breve carreira como geóloga, dedicou-se inteiramente à escrita. Flores da Tempestade, publicado pela ASA, foi eleito pelos leitores da Glamour Magazine e do Washington Post como Uma das Melhores Histórias de Amor de Sempre.
Laura e o marido dividem o seu tempo entre Santa Fé e o Texas.






Os apreciadores da escrita da autora já podem pré encomendar o livro com 10% de desconto. Aqui. 

domingo, 13 de janeiro de 2019

"Novidade - Uma Noite em Lisboa"


Erich Maria Remarque

Sinopse

A Alemanha nazi ocupava grande parte da Europa. Terra de todos e de ninguém devido ao jogo duplo de Salazar, Lisboa foi durante toda a guerra um território neutro. Num cenário de conflito e perseguição, tornou-se num paraíso à beira-mar plantado. Para além da sua beleza natural e da paz, foi uma das poucas portas de saída para os que desejavam uma oportunidade para construir uma nova vida do outro lado do Atlântico. Depois… uma noite em Lisboa, quando um refugiado olha cobiçosamente para um transatlântico, um homem aproxima-se dele com dois bilhetes de embarque e uma história para contar.

É uma história perturbante de coragem, traição, risco e morte. Onde o preço do amor vai para além do imaginável e o legado do mal é infinito. À medida que a noite evolui, os dois homens e a própria Lisboa criam um laço que vai durar o resto das suas vidas…

O AUTOR 
Erich Maria Remarque nasceu a 22 de Junho de 1898 para se vir a tornar num dos mais importantes escritores do séc. XX. Banido pelos nazis por ser alegadamente descendente de judeus franceses, viu os seus livros serem atirados para a fogueira e foi exilado em 1933 sob acusação de fazer propaganda contra o nacionalismo alemão. Remarque viu, ainda assim, o seu trabalho reconhecido ao mais alto nível da literatura e chegou mesmo a ser um dos grandes candidatos ao Nobel na sua época. Este foi o seu último trabalho completo e a sua obra foi eternizada pelos seus leitores em todo o mundo. Dono de uma escrita magistral e de um profundo conhecimento da alma humana, Remarque ficará para sempre na história da literatura.



Caros leitores, o mês de Janeiro traz imensas novidades no género romance. Vou deixando aqui aquelas que me parecem mais "apetecíveis". Boas leituras para uns e força nesses dedos para outros. 

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

"6 de Abril de 96 - Opinião"

Sveva Casati Modignani

Opinião
Apesar deste livro já ter saído em Portugal há algum tempo, só agora o li. Tenho lido todos os livros do casal que usa o pseudónimo - embora só ela apareça como autora - , e não me tem desiludido. Os autores têm explorado muito bem a vida dos italianos de todas as classes sociais. Gostei deste livro, especialmente porque fala da vida do camponeses de uma forma tão real que quase nos imaginamos no meio das cenas. As personagens, muito bem construídas, prendem o leitor ao livro querendo saber mais, no entanto a certa altura, creio que o facto de a história estar dividida por personagens, baralha um pouco. A escrita é fluída, como sempre, e rica de pormenores descritivos, sem chegar ao ponto de chatear o leitor.  Como sempre os autores privilegiam o feminino em todo o seu mundo. Quanto ao titulo creio que IRENE, teria ficado melhor, já que a história é a vida da personagem.
 Uma boa leitura.



Sinopse
Para recuperar a memória, depois de ter sido violentamente agredida, Irene tem diante de si uma difícil tarefa - uma dolorosa viagem ao passado. Ainda jovem e bela, Irene carrega uma pesada herança - a mãe e a avó tinham pago caro as tentativas de afrontar a moral vigente e as convenções de um mundo rural que as subjugava. Também ela não será poupada quando abandona o campo e parte em busca do seu próprio caminho. Apesar do sucesso profissional e bem-estar económico que alcança, Irene não encontra o equilíbrio emocional. Será necessária uma crise profunda para que ela encontre forças para aguardar o futuro com serenidade e confiança.

6 de abril’96 é um romance empolgante dedicado às mulheres: as que lutaram por assumir as rédeas do seu próprio destino e as que hoje usufruem das conquistas alcançadas então.

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

"O Segredo da Casa de Riverton - Opinião"

Kate Morton

Gostei muito deste livro. Adoro a escrita da autora, no entanto custei a engrenar com a leitura, porque a história começa de uma forma um pouco lenta, outras partes são um pouco pesadas, mas a escrita da autora, as personagens e as descrições, fizeram-se permanecer fiel à leitura, embora tenha demorado um pouco mais de tempo para ler 500 páginas, do que é habitual. Levei este livro de viagem quando fui a Londres - há três semanas - e andei por Londres nas ruas por onde se passam as cenas.
É tão bom imaginar as cenas quando se está no local!
Na segunda parte o livro acelera um pouco a sequência das cenas e torna-se impossível desviar os olhos da leitura. Quando se aproxima do final, então é de loucos e, o final é algo que jamais me passaria pela cabeça - enquanto leitora, porque como escritora achei genial -  e, até hoje fico a pensar no que levaria um ser humano àquela decisão. Não revelo mais. Leiam que vale a pena. 
Um romance deveras brilhante.


SINOPSE
Como sobrevivem os que presenciam a tragédia?

verão de 1924
Na noite de um glamoroso evento social, um jovem poeta perde a vida junto ao lago de uma grande casa de campo inglesa. Depois desse trágico acontecimento, as suas únicas testemunhas, as irmãs Hannah e Emmeline Hartford, jamais se voltariam a falar.

inverno de 1999
Grace Bradley, de noventa e oito anos de idade, antiga empregada da casa de Riverton, recebe a visita de uma jovem realizadora que pretende fazer um filme sobre a morte trágica do poeta.
Memórias antigas e fantasmas adormecidos, há muito remetidos para o esquecimento, começam a ser reavivados. Um segredo chocante ameaça ser revelado, algo que o tempo parece ter apagado mas que Grace tem bem presente.
Passado numa Inglaterra destroçada pela primeira guerra e rendida aos loucos anos 20, O Segredo da Casa de Riverton é um romance misterioso e uma emocionante história de amor.