segunda-feira, 29 de setembro de 2014

PROMOÇÃO GRATUITA DO LIVRO GABRIELLE

Hoje pode descarregar o livro em ebook grátis no site da amazon.br. Carregue aqui e obtenha o seu. 

PROMOÇÃO GRATUITA DO LIVRO GABRIELLE

Hoje pode descarregar o livro em ebook grátis no site da amazon.br. Carregue aqui e obtenha o seu. 

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

A metáfora na escrita criativa

As metáforas são o coração e o centro de um texto literário, no entanto nem sempre as trabalhamos com todo o seu potencial e sobretudo emprestando-lhe o seu cunho pessoal. Os leitores já terão usado expressões como «olhos azul mar» ou em momentos de paixão «gosto de ti até à lua», alguns exemplos muito simples da potencialidade da metáfora. O que fez no caso dos olhos e do azul do mar foi uma comparação (olhos azuis, azul do mar) mas, numa metáfora não é bem isso que fazemos.
 Pegando em exemplos de “Carlos Ruiz Zafon” um escritor espanhol que vive nos estados unidos desde 1993, vou tentar demonstrar a maestria com que usa esta figura de estilo. No livro “A sombra do Vento” refere-se ao estado de paixão como «compareceu ao trabalho nas asas de Cupido», ou às nuvens de tempestade nocturna como «manto de trevas cegando a lua», é esta distancia entre o significado e a forma como se chega lá – possibilitando múltiplas interpretações – que se chama metáfora.
Como é que pode usar nos seus textos literários? Uma das formas é pensar no sentido do que quer transmitir e associá-lo a um objecto ou qualquer outra coisa que pretenda trabalhar.


A metáfora na escrita criativa

As metáforas são o coração e o centro de um texto literário, no entanto nem sempre as trabalhamos com todo o seu potencial e sobretudo emprestando-lhe o seu cunho pessoal. Os leitores já terão usado expressões como «olhos azul mar» ou em momentos de paixão «gosto de ti até à lua», alguns exemplos muito simples da potencialidade da metáfora. O que fez no caso dos olhos e do azul do mar foi uma comparação (olhos azuis, azul do mar) mas, numa metáfora não é bem isso que fazemos.
 Pegando em exemplos de “Carlos Ruiz Zafon” um escritor espanhol que vive nos estados unidos desde 1993, vou tentar demonstrar a maestria com que usa esta figura de estilo. No livro “A sombra do Vento” refere-se ao estado de paixão como «compareceu ao trabalho nas asas de Cupido», ou às nuvens de tempestade nocturna como «manto de trevas cegando a lua», é esta distancia entre o significado e a forma como se chega lá – possibilitando múltiplas interpretações – que se chama metáfora.
Como é que pode usar nos seus textos literários? Uma das formas é pensar no sentido do que quer transmitir e associá-lo a um objecto ou qualquer outra coisa que pretenda trabalhar.


domingo, 21 de setembro de 2014

Novo romance - A última dança

Apresento a vocês o meu novo romance. Uma história diferente e que vai tratar um tema delicado e real que não vou revelar ainda. Um romande em que a personagem principal não é uma moça bem comportada, mas sim uma mulher com um passado promiscuo. 

Tenho um pedido a fazer! Preciso de leitores Beta. 

O que é um leitor Beta?

Leitor Beta é todo aquele que tem acesso ao livro antes da revisão, usufrui de uma língua afiada para a crítica, ajudando assim o autor a melhorar a sua obra, antes da publicação. Uma espécie de teste de mercado que se fazem aos livros antes da sua edição.

Quem procuro?

- Leitores (m/f) que apreciem romances com algum grau de erotismo.
- Idade mínima 18 anos.
- Leitores que assumam o compromisso de ler a obra na íntegra e sobre ela emitir uma crítica/sugestões (construtiva (s) de preferência) no seu todo (personagens, enredo, cenários, etc…).

O que procuro?

- Opiniões sinceras e honestas. Não pretendo leitores passivos que apenas absorvem o que gostaram. Preciso de gente com fibra que opine genuinamente sobre o que leu, que saiba fundamentar a crítica, no sentido da qualidade da obra. O que está bem, está e o que está mal, tem que se mudar – importante frisar isto!
- Os personagens são credíveis? Consensuais? Apaixonantes? Enfadonhos?
- A história tem ritmo? Prende-te a cada página? Provoca-te sensações? Dá-te nervos?
- Os cenários estão adequados? As roupas? O enquadramento das cenas?
- No final das primeiras páginas o que prevês que aconteça ao enredo?
- O final do livro é previsível? Envolves-te ao ponto de sentir todas aquelas emoções?
Todas as gralhas, erros frásicos e de construção podem ser apontados mas alerto que a revisão textual será feita por uma profissional, podemos deixar essa parte de lado, para já.




O livro está a ser postado aqui.  Vá lá e confira. 



Novo romance - A última dança

Apresento a vocês o meu novo romance. Uma história diferente e que vai tratar um tema delicado e real que não vou revelar ainda. Um romande em que a personagem principal não é uma moça bem comportada, mas sim uma mulher com um passado promiscuo. 

Tenho um pedido a fazer! Preciso de leitores Beta. 

O que é um leitor Beta?

Leitor Beta é todo aquele que tem acesso ao livro antes da revisão, usufrui de uma língua afiada para a crítica, ajudando assim o autor a melhorar a sua obra, antes da publicação. Uma espécie de teste de mercado que se fazem aos livros antes da sua edição.

Quem procuro?

- Leitores (m/f) que apreciem romances com algum grau de erotismo.
- Idade mínima 18 anos.
- Leitores que assumam o compromisso de ler a obra na íntegra e sobre ela emitir uma crítica/sugestões (construtiva (s) de preferência) no seu todo (personagens, enredo, cenários, etc…).

O que procuro?

- Opiniões sinceras e honestas. Não pretendo leitores passivos que apenas absorvem o que gostaram. Preciso de gente com fibra que opine genuinamente sobre o que leu, que saiba fundamentar a crítica, no sentido da qualidade da obra. O que está bem, está e o que está mal, tem que se mudar – importante frisar isto!
- Os personagens são credíveis? Consensuais? Apaixonantes? Enfadonhos?
- A história tem ritmo? Prende-te a cada página? Provoca-te sensações? Dá-te nervos?
- Os cenários estão adequados? As roupas? O enquadramento das cenas?
- No final das primeiras páginas o que prevês que aconteça ao enredo?
- O final do livro é previsível? Envolves-te ao ponto de sentir todas aquelas emoções?
Todas as gralhas, erros frásicos e de construção podem ser apontados mas alerto que a revisão textual será feita por uma profissional, podemos deixar essa parte de lado, para já.




O livro está a ser postado aqui.  Vá lá e confira. 



sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Apresentando Brincos de Princesa

Brincos de Princesa é um romance passado no Dubai e combina duas culturas completamente diferentes. Uma história de amor diferente, divertida e por vezes dramática, que aborda os usos e costumes de um país muçulmano onde mais de 60% da população é estrangeira. Laura, a personagem feminina é uma mulher decidida e vai tentar a sorte fora do seu país. Said, estrangeiro como ela é o poderoso CEO de um empreendimento turistico. Apaixonam-se e têm que ultrapassar muitos obstáculos e perigos.  Entre aqui e veja como saber o resto da história. 

Apresentando Brincos de Princesa

Brincos de Princesa é um romance passado no Dubai e combina duas culturas completamente diferentes. Uma história de amor diferente, divertida e por vezes dramática, que aborda os usos e costumes de um país muçulmano onde mais de 60% da população é estrangeira. Laura, a personagem feminina é uma mulher decidida e vai tentar a sorte fora do seu país. Said, estrangeiro como ela é o poderoso CEO de um empreendimento turistico. Apaixonam-se e têm que ultrapassar muitos obstáculos e perigos.  Entre aqui e veja como saber o resto da história. 

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Apresentando Laura Mateus " Brincos de Princesa"

«Laura tinha instruções para procurar um motorista com o seu nome escrito numa placa de cartão e encaminhou-se para a saída. Assim que cruzou a enorme porta de vidro sentiu de imediato o calor e eram apenas quatro e trinta da manhã.
Verifica se algum dos cartões - que os homens encostados às grades dos separadores de trânsito tinham nas mãos - tinha o seu nome escrito e encontra-o. Lá estava ele. O seu motorista. Já se sentia mais segura.
Mrs Laura Mateus – Portugal.
Dirigiu-se ao homem, talvez na casa dos trinta que o segurava e teve uma surpresa ao olhar para ele. Rosto forte, quadrado, olhos castanhos profundos, um sorriso encantador assim que a viu enfim, podia dizer que era um executivo qualquer. Tinha ar disso. Os motoristas seriam todos assim, ou só este é que tinha um aspecto tão bonito? Que país curioso!
Laura estendeu-lhe a mão e ele apertou-lha com firmeza dizendo num inglês sem mácula, enquanto a olhava intensamente.
- Seja bem-vinda miss Laura.
Com muito profissionalismo e delicadeza fez um gesto para ela lhe passar a mala.
Laura não se fez de rogada e imediatamente lhe entregou a enorme sansonite,onde carregava - literalmente - todos os seus objectos e roupas pessoais.
Mas porque é que eu cumprimentei o motorista com um aperto de mão? Ele não recusou… Ninguém cumprimenta motoristas de táxi com um aperto de mão. Estou mesmo apalermada.
Mas, o que não deixou escapar da sua mente foi a impressão que o homem lhe causou assim que o viu. Charmoso e bem vestido, alto- mas não excessivamente- ligeiramente moreno, de olhos castanhos-escuros e com um ar sério de profissional. Mais parecia um CEO de uma empresa qualquer do que um motorista de táxi. Era de certeza um motorista com muita classe. Aventurado país! Assim já estava melhor. Ia passar a andar muito de táxi quase de certeza- pensou com malicia enquanto emitia um sorriso velado para si própria.
Ele faz-lhe sinal para o acompanhar e dirige-se ao carro parado mais à frente. À passagem deles as cabeças dos homens que falam alto, em árabe, fazendo uma algazarra, voltam-se todos para ela, causando estranheza e medo a Laura; a curiosidade deles devia-se ao facto de ela ir acompanhada de um homem e de ser tão bonita. Ela é que não sabia isso e interpretou o facto à luz dos conhecimentos acerca do mundo árabe a as relações com as mulheres. Chegaram ao carro e para seu espanto o veículo abre-se sozinho quando ele se aproxima da porta. Tudo por aqui é excêntrico.
 O táxi é um lexus cinzento! Observou admirada. Sempre tivera bons carros, porque felizmente a sua família tinha possibilidade de os comprar, mas as suas escolhas não iam além das marcas mais conhecidas como Peugeot, Volkswagen, nem por sombras pensaria num carro destes. Bolas! Um Lexus é um Lexus!  
 Deixam os motoristas conduzirem carros destes? Questiona-se enquanto ele coloca a mala na bagageira e abre-lhe a porta de trás como um perfeito cavalheiro. Laura entra no carro e afunda-se no couro macio bege e castanho, sentindo-se uma princesa dentro da carruagem de luxo. O motorista arranca com o carro, primeiro suavemente e depois mais acelerado à medida que sai do parque subterrâneo. Laura observa a roupa dele. Parece um fato caro, talvez Armani, mas deve estar enganada. Por mais excêntrico que o país seja seria demais um motorista usar um fato de centenas de dólares. Ele acelera pela enorme avenida com quatro faixas de rodagem de ambos os lados com a indicação de Abu Dhabi, outro emirado, até lá são apenas algumas centenas de quilómetros de estrada pelo deserto para quem segue essa direcção. O sol começa a surgir no horizonte e empresta à cidade um ar misterioso. Pelo espelho retrovisor os olhares cruzam-se e ele sorri-lhe. Laura devolve o sorriso timidamente e pergunta-se porque é que está a reagir desta forma com um simples motorista. Nunca foi snob ou pretensiosa ao ponto de desmerecer outras profissões, mas este motorista era estranho. »

Apresentando Laura Mateus " Brincos de Princesa"

«Laura tinha instruções para procurar um motorista com o seu nome escrito numa placa de cartão e encaminhou-se para a saída. Assim que cruzou a enorme porta de vidro sentiu de imediato o calor e eram apenas quatro e trinta da manhã.
Verifica se algum dos cartões - que os homens encostados às grades dos separadores de trânsito tinham nas mãos - tinha o seu nome escrito e encontra-o. Lá estava ele. O seu motorista. Já se sentia mais segura.
Mrs Laura Mateus – Portugal.
Dirigiu-se ao homem, talvez na casa dos trinta que o segurava e teve uma surpresa ao olhar para ele. Rosto forte, quadrado, olhos castanhos profundos, um sorriso encantador assim que a viu enfim, podia dizer que era um executivo qualquer. Tinha ar disso. Os motoristas seriam todos assim, ou só este é que tinha um aspecto tão bonito? Que país curioso!
Laura estendeu-lhe a mão e ele apertou-lha com firmeza dizendo num inglês sem mácula, enquanto a olhava intensamente.
- Seja bem-vinda miss Laura.
Com muito profissionalismo e delicadeza fez um gesto para ela lhe passar a mala.
Laura não se fez de rogada e imediatamente lhe entregou a enorme sansonite, onde carregava - literalmente - todos os seus objectos e roupas pessoais.
Mas porque é que eu cumprimentei o motorista com um aperto de mão? Ele não recusou… Ninguém cumprimenta motoristas de táxi com um aperto de mão. Estou mesmo apalermada.
Mas, o que não deixou escapar da sua mente foi a impressão que o homem lhe causou assim que o viu. Charmoso e bem vestido, alto- mas não excessivamente- ligeiramente moreno, de olhos castanhos-escuros e com um ar sério de profissional. Mais parecia um CEO de uma empresa qualquer do que um motorista de táxi. Era de certeza um motorista com muita classe. Aventurado país! Assim já estava melhor. Ia passar a andar muito de táxi quase de certeza- pensou com malicia enquanto emitia um sorriso velado para si própria.
Ele faz-lhe sinal para o acompanhar e dirige-se ao carro parado mais à frente. À passagem deles as cabeças dos homens que falam alto, em árabe, fazendo uma algazarra, voltam-se todos para ela, causando estranheza e medo a Laura; a curiosidade deles devia-se ao facto de ela ir acompanhada de um homem e de ser tão bonita. Ela é que não sabia isso e interpretou o facto à luz dos conhecimentos acerca do mundo árabe a as relações com as mulheres. Chegaram ao carro e para seu espanto o veículo abre-se sozinho quando ele se aproxima da porta. Tudo por aqui é excêntrico.
 O táxi é um lexus cinzento! Observou admirada. Sempre tivera bons carros, porque felizmente a sua família tinha possibilidade de os comprar, mas as suas escolhas não iam além das marcas mais conhecidas como Peugeot, Volkswagen, nem por sombras pensaria num carro destes. Bolas! Um Lexus é um Lexus!  
 Deixam os motoristas conduzirem carros destes? Questiona-se enquanto ele coloca a mala na bagageira e abre-lhe a porta de trás como um perfeito cavalheiro. Laura entra no carro e afunda-se no couro macio bege e castanho, sentindo-se uma princesa dentro da carruagem de luxo. O motorista arranca com o carro, primeiro suavemente e depois mais acelerado à medida que sai do parque subterrâneo. Laura observa a roupa dele. Parece um fato caro, talvez Armani, mas deve estar enganada. Por mais excêntrico que o país seja seria demais um motorista usar um fato de centenas de dólares. Ele acelera pela enorme avenida com quatro faixas de rodagem de ambos os lados com a indicação de Abu Dhabi, outro emirado, até lá são apenas algumas centenas de quilómetros de estrada pelo deserto para quem segue essa direcção. O sol começa a surgir no horizonte e empresta à cidade um ar misterioso. Pelo espelho retrovisor os olhares cruzam-se e ele sorri-lhe. Laura devolve o sorriso timidamente e pergunta-se porque é que está a reagir desta forma com um simples motorista. Nunca foi snob ou pretensiosa ao ponto de desmerecer outras profissões, mas este motorista era estranho. »

"Brincos de Princesa" - apresentando Said

(Modelo de Said - Ragheb Alama- cantor Sírio)

"Said olhou para ela intensamente, tentando perscrutar-lhe a alma e depois de saborear uma garfada de arroz envolta em caril deu sinal de ir dizer qualquer coisa. Até a mastigar era sensual. Baixou os olhos em direcção ao prato e brincou um pouco com a comida, como se estivesse a hesitar em dizer alguma coisa que o incomodava. Tinha receio da reacção dela.  
Laura saboreava a comida deliciada. Era visível que ela gostava de comer. Ficava feliz por isso. Queria uma mulher que apreciasse cada momento da vida. A comida era um dos aspectos mais importantes da vida familiar: o momento de reunião e partilha diários. Era a sua opinião, mas não a sua vivência.
Tinha que lhe dizer que já foi casado, não queria esconder mais nada dela.
- Já fui casado. – deixou escapar, para ficar em silencio logo de seguida. Estava preparado para tudo, menos para a rejeição que pudesse advir dessa revelação. Susteve a respiração ficando em suspenso à espera da reacção dela.

Laura pareceu mergulhar no mais profundo de si própria e, ao fim de alguns segundos – que a ele pareceram intermináveis- respondeu num tom muito assertivo:
- Já foste. Ficava zangada se ainda fosses. Não quero saber Said, não agora. - disse-lhe com o ar mais doce que podia arranjar.
 Adorava aquele homem sem saber bem porquê. Há coisas que não se explicam e esta coisa que existia entre eles, tipo “Atracção fatal”- como no filme, tirando a parte da perversão e da psicopatia que não apreciava - era o melhor que lhe tinha acontecido nos últimos dois anos. Depois de Manuel Fontes, pensava que estaria vacinada contra homens. Afinal não eram todos iguais. Bem que a avó Teresa lhe dizia que um dia haveria de encontrar alguém que encaixasse com ela sempre que afirmava não querer mais ninguém.  
- Tinha que ser logo aqui.- pensou alto.
Said ouviu e ficou sem perceber. Franziu o sobrolho em interrogação. "

"Brincos de Princesa" - apresentando Said

(Modelo de Said - Ragheb Alama- cantor Sírio)

"Said olhou para ela intensamente, tentando perscrutar-lhe a alma e depois de saborear uma garfada de arroz envolta em caril deu sinal de ir dizer qualquer coisa. Até a mastigar era sensual. Baixou os olhos em direcção ao prato e brincou um pouco com a comida, como se estivesse a hesitar em dizer alguma coisa que o incomodava. Tinha receio da reacção dela.  
Laura saboreava a comida deliciada. Era visível que ela gostava de comer. Ficava feliz por isso. Queria uma mulher que apreciasse cada momento da vida. A comida era um dos aspectos mais importantes da vida familiar: o momento de reunião e partilha diários. Era a sua opinião, mas não a sua vivência.
Tinha que lhe dizer que já foi casado, não queria esconder mais nada dela.
- Já fui casado. – deixou escapar, para ficar em silencio logo de seguida. Estava preparado para tudo, menos para a rejeição que pudesse advir dessa revelação. Susteve a respiração ficando em suspenso à espera da reacção dela.

Laura pareceu mergulhar no mais profundo de si própria e, ao fim de alguns segundos – que a ele pareceram intermináveis- respondeu num tom muito assertivo:
- Já foste. Ficava zangada se ainda fosses. Não quero saber Said, não agora. - disse-lhe com o ar mais doce que podia arranjar.
 Adorava aquele homem sem saber bem porquê. Há coisas que não se explicam e esta coisa que existia entre eles, tipo “Atracção fatal”- como no filme, tirando a parte da perversão e da psicopatia que não apreciava - era o melhor que lhe tinha acontecido nos últimos dois anos. Depois de Manuel Fontes, pensava que estaria vacinada contra homens. Afinal não eram todos iguais. Bem que a avó Teresa lhe dizia que um dia haveria de encontrar alguém que encaixasse com ela sempre que afirmava não querer mais ninguém.  
- Tinha que ser logo aqui.- pensou alto.
Said ouviu e ficou sem perceber. Franziu o sobrolho em interrogação. "

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Excerto de Brincos de Princesa

Imagem retirada da Internet
"Dib Kassim tinha trinta e quatro anos e um séquito de mulheres no seu curriculum. Cuidado no corpo e bem vestido era um autêntico playboy que gastava milhões de dólares em carros topo de gama de marcas luxuosas – os seus brinquedos como lhe chamava- e, gabava-se de coleccionar as mais belas mulheres, o que não abonava muito na sua reputação. Alto e com porte atlético fruto das muitas horas que passava a fazer exercício, tinha um rosto deveras bonito: olhos castanhos, lábios carnudos e um sorriso mostrando dentes bem tratados; a barba mal feita – deixada assim de propósito- dava-lhe charme mais que suficiente para ter a atenção das mulheres virada para si em todos os ambientes em que se encontrasse. Até no deserto junto aos poços de petróleo era atraente.
Estudou em Londres e por lá aprendeu a arte da sedução para além de se ter licenciado em engenharia do petróleo. Actualmente é o responsável pela exploração petrolífera da família Kassim em conjunto com o tio e a prima filha do Sheikh, mas acima de tudo é um renegado que ainda não encontrou o seu lugar.
 Deambulava pelo centro comercial com o intuito de comprar um relógio caro para oferecer de prenda a uma jovem ocidental que tentava conquistar – Dib adora mulheres ocidentais - quando viu Laura sair da loja. Ficou deslumbrado com as formas dela: pernas bem torneadas, porte altivo e seios fartos e sem ser demasiado alta. Tudo o que apreciava numa mulher. Reconheceu-a de imediato. Achou-a tão misteriosa no dia da apresentação da campanha de publicidade que não quis perder a oportunidade de a conhecer e assim que a viu seguiu-a de forma muito discreta não fosse assustá-la. "  
** 

Excerto de Brincos de Princesa

Imagem retirada da Internet
"Dib Kassim tinha trinta e quatro anos e um séquito de mulheres no seu curriculum. Cuidado no corpo e bem vestido era um autêntico playboy que gastava milhões de dólares em carros topo de gama de marcas luxuosas – os seus brinquedos como lhe chamava- e, gabava-se de coleccionar as mais belas mulheres, o que não abonava muito na sua reputação. Alto e com porte atlético fruto das muitas horas que passava a fazer exercício, tinha um rosto deveras bonito: olhos castanhos, lábios carnudos e um sorriso mostrando dentes bem tratados; a barba mal feita – deixada assim de propósito- dava-lhe charme mais que suficiente para ter a atenção das mulheres virada para si em todos os ambientes em que se encontrasse. Até no deserto junto aos poços de petróleo era atraente.
Estudou em Londres e por lá aprendeu a arte da sedução para além de se ter licenciado em engenharia do petróleo. Actualmente é o responsável pela exploração petrolífera da família Kassim em conjunto com o tio e a prima filha do Sheikh, mas acima de tudo é um renegado que ainda não encontrou o seu lugar.
 Deambulava pelo centro comercial com o intuito de comprar um relógio caro para oferecer de prenda a uma jovem ocidental que tentava conquistar – Dib adora mulheres ocidentais - quando viu Laura sair da loja. Ficou deslumbrado com as formas dela: pernas bem torneadas, porte altivo e seios fartos e sem ser demasiado alta. Tudo o que apreciava numa mulher. Reconheceu-a de imediato. Achou-a tão misteriosa no dia da apresentação da campanha de publicidade que não quis perder a oportunidade de a conhecer e assim que a viu seguiu-a de forma muito discreta não fosse assustá-la. "  
** 

domingo, 14 de setembro de 2014

Listar na escrita. O que é e para que serve?

Quem só lê pode ficar com a ideia que os escritores escrevem ao sabor da caneta (neste caso das teclas) e que fazer uma lista seria coisa de quem tem pouca imaginação ou pouca maestria. 
Nada disso! 
A lista é indispensável para que não se esqueça do que vai escrever ou que já escreveu. Faço listas para tudo. Aliás, carrego um diário de leitura (aqueles caderninhos pequenos que cabem numa malinha) onde vou anotando tudo o que me vou lembrando, até mesmo quando estou numa pausa diária.
 Escritor está sempre activo. Sempre a pensar. É num momento de descontracção que me vem a inspiração para um trecho do livro ou uma ideia para uma fala de um personagem, ou até uma característica que quero acrescentar ao personagem. A memória é selectiva. vai-se quando menos se espera. Ter um caderno à mão para apontar no imediato é fundamental. Fazer a sinopse do livro é a primeira lista (listar o enredo, onde começa e onde acaba); fazer a lista das características das personagens é outra lista; fazer a lista dos capítulos. Listar é imprescindível para quem escreve, caso contrário, corre o risco de se perder na narrativa, ou de a história parecer estranha. Onde é que eu tinha ficado? O que é que eu queria dizer? Por onde vou conduzir a personagem?

Recapitulando- usar antes de um texto para programar o que quer dizer; durante o texto se estiver com dificuldades em desenvolver, para servir de resumo e programar o que vem a seguir. No final do texto ou do livro como directriz para revisão do livro. 

Listar na escrita. O que é e para que serve?

Quem só lê pode ficar com a ideia que os escritores escrevem ao sabor da caneta (neste caso das teclas) e que fazer uma lista seria coisa de quem tem pouca imaginação ou pouca maestria. 
Nada disso! 
A lista é indispensável para que não se esqueça do que vai escrever ou que já escreveu. Faço listas para tudo. Aliás, carrego um diário de leitura (aqueles caderninhos pequenos que cabem numa malinha) onde vou anotando tudo o que me vou lembrando, até mesmo quando estou numa pausa diária.
 Escritor está sempre activo. Sempre a pensar. É num momento de descontracção que me vem a inspiração para um trecho do livro ou uma ideia para uma fala de um personagem, ou até uma característica que quero acrescentar ao personagem. A memória é selectiva. vai-se quando menos se espera. Ter um caderno à mão para apontar no imediato é fundamental. Fazer a sinopse do livro é a primeira lista (listar o enredo, onde começa e onde acaba); fazer a lista das características das personagens é outra lista; fazer a lista dos capítulos. Listar é imprescindível para quem escreve, caso contrário, corre o risco de se perder na narrativa, ou de a história parecer estranha. Onde é que eu tinha ficado? O que é que eu queria dizer? Por onde vou conduzir a personagem?

Recapitulando- usar antes de um texto para programar o que quer dizer; durante o texto se estiver com dificuldades em desenvolver, para servir de resumo e programar o que vem a seguir. No final do texto ou do livro como directriz para revisão do livro. 

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

O PONTO DE VISTA


O que é e para que serve?

Um dos maiores problemas com os textos que todos começamos a escrever é por vezes estarem muito focados sobre uma parte da vida do autor, seja num momento, numa situação ou até sobre uma pessoa da vida do autor; ou até do que vive e sente no momento.
Uma das formas de se descolar deste problema é abandonar-se por momentos, deixar de ver pelos seus olhos e adoptar um outro modo de ver.
Como é que aquela personagem veria este problema? E porquê? Nem todas as pessoas conseguem adoptar o ponto de vista do outro (pôr-se no lugar de) e nesse caso é muito difícil deixar de ver a personagem como se fosse um alter-ego do autor. O ponto de vista tem que conter as circunstâncias de quem narra e deve manter coerência interna em relação ao mundo próprio e à forma de ver o que narra. Sempre que o escritor se sinta fechado no que conhece, só nas suas experiencias, hábitos, visões do mundo muito próprias, tente adoptar outros pontos de vista para as personagens.
O que fazer para ultrapassar este problema?

Ler…ler…ler…e praticar. Veja como os outros escrevem e de que forma apresentam o ponto de vista dos diversos personagens. Isso não é plagiar e aprender com quem tem mais experiencia. Pessoalmente escrevo tanto quanto leio. 

O PONTO DE VISTA


O que é e para que serve?

Um dos maiores problemas com os textos que todos começamos a escrever é por vezes estarem muito focados sobre uma parte da vida do autor, seja num momento, numa situação ou até sobre uma pessoa da vida do autor; ou até do que vive e sente no momento.
Uma das formas de se descolar deste problema é abandonar-se por momentos, deixar de ver pelos seus olhos e adoptar um outro modo de ver.
Como é que aquela personagem veria este problema? E porquê? Nem todas as pessoas conseguem adoptar o ponto de vista do outro (pôr-se no lugar de) e nesse caso é muito difícil deixar de ver a personagem como se fosse um alter-ego do autor. O ponto de vista tem que conter as circunstâncias de quem narra e deve manter coerência interna em relação ao mundo próprio e à forma de ver o que narra. Sempre que o escritor se sinta fechado no que conhece, só nas suas experiencias, hábitos, visões do mundo muito próprias, tente adoptar outros pontos de vista para as personagens.
O que fazer para ultrapassar este problema?

Ler…ler…ler…e praticar. Veja como os outros escrevem e de que forma apresentam o ponto de vista dos diversos personagens. Isso não é plagiar e aprender com quem tem mais experiencia. Pessoalmente escrevo tanto quanto leio. 

BRINCOS DE PRINCESA


Quando Laura aceita uma proposta de trabalho no Dubai só pensou no desafio e no dinheiro que ia ganhar, nunca imaginou que os problemas começariam assim que pusesse os pés no aeroporto ao olhar pela primeira vez para o fato Armani do motorista de táxi. Conhece o CEO da empresa e  durante seis semanas vive um sonho e um pesadelo.
 Conhece o homem dos seus sonhos e apaixona-se e, outro (um principe árabe) que se apaixona por ela e se tornou no pior pesadelo que já viveu. Obrigada a fugir do Dubai, um dia descobre várias coisas que a deixam muito perturbada: um vizinho misterioso que parece vigiá-la e por quem ela tem verdadeiro fascínio; que a história que lhe contaram sobre os pais não era verdade; e que carrega no seu ventre a semente da vida.
Quando pensava que apenas iria cuidar dos negócios e encetar uma nova fase da sua vida, eis que o passado recente e o longínquo surgem para a atormentar. Uma história de amor impossivel passada num cenário exótico. 

BRINCOS DE PRINCESA


Quando Laura aceita uma proposta de trabalho no Dubai só pensou no desafio e no dinheiro que ia ganhar, nunca imaginou que os problemas começariam assim que pusesse os pés no aeroporto ao olhar pela primeira vez para o fato Armani do motorista de táxi. Conhece o CEO da empresa e  durante seis semanas vive um sonho e um pesadelo.
 Conhece o homem dos seus sonhos e apaixona-se e, outro (um principe árabe) que se apaixona por ela e se tornou no pior pesadelo que já viveu. Obrigada a fugir do Dubai, um dia descobre várias coisas que a deixam muito perturbada: um vizinho misterioso que parece vigiá-la e por quem ela tem verdadeiro fascínio; que a história que lhe contaram sobre os pais não era verdade; e que carrega no seu ventre a semente da vida.
Quando pensava que apenas iria cuidar dos negócios e encetar uma nova fase da sua vida, eis que o passado recente e o longínquo surgem para a atormentar. Uma história de amor impossivel passada num cenário exótico. 

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

PROMOÇÃO - HOJE GRÁTIS NA AMAZON

HOJE O ROMANCE "BRINCOS DE PRINCESA É GRÁTIS. CORRA LÁ E BAIXE O SEU. SE GOSTAR NÃO ESQUEÇA DE FAZER COMENTÁRIO À OBRA NO SITE DA AMAZON. BOA LEITURA. CARREGUE AQUI PARA OBTER O SEU!

PROMOÇÃO - HOJE GRÁTIS NA AMAZON

HOJE O ROMANCE "BRINCOS DE PRINCESA É GRÁTIS. CORRA LÁ E BAIXE O SEU. SE GOSTAR NÃO ESQUEÇA DE FAZER COMENTÁRIO À OBRA NO SITE DA AMAZON. BOA LEITURA. CARREGUE AQUI PARA OBTER O SEU!

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

segunda-feira, 8 de setembro de 2014