sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Edição tradicional vs edição independente


A edição tradicional ao mesmo tempo que é segura e tem uma base supostamente sólida é também muito restritiva. Não pode escolher a capa, vê o conteúdo da sua escrita alterado por sugestão do editor, mesmo o nome do livro pode não ser escolhido por si ( a não ser que seja um escritor consagrado ) e no final não recebe mais de 20% do valor das vendas, valor esse que você nunca controla. Essa é uma das razões apontadas para o emergir da auto- publicação nos últimos anos, mas há mais. Quando alguém escreve uma obra que quer publicar quase sempre vê as suas expectativas goradas ao enviar o manuscrito para editoras e não receber nenhuma resposta. Nem que seja a dizer que aquilo que escreve não tem interesse literário e não se aplica ao mercado. Mesmo assim não desista, se quer escrever vale sempre a pena. Mostre a amigos, inscreva-se nas plataformas de escritores e leitores, onde pode publicar o seu livro e obter feed back dos leitores.

Voltando ainda à publicação pela forma tradicional, nunca aceite publicações em que tem que pagar os livros. Há editoras que trabalham dessa forma. Aceitam a obra mas obrigam o autor a comprar os livros. Essa é uma proposta desonesta. No final você fica com os livros para vender e sem o seu dinheiro. Essa é uma forma perversa de aproveitamento do trabalho dos autores. E se lhe disserem que a editora não pode arriscar por ser um autor desconhecido, não acredite, trata-se apenas de uma forma de fazer dinheiro à sua custa. 

A publicação independente veio revolucionar o mundo dos livros. Milhares de escritores de todo o mundo publicam hoje nas plataformas online que aceitam escritores independentes e já dispensaram as editoras. Motivo: tem total controlo sobre as suas obras e ganham três vezes mais. Nos ebooks ganham entre 35% e 70% (dependendo do preço do livro) e nas publicações em papel ganha 35%, com a vantagem de poder comprar os livros em papel (que ficam muito baratos) e poder vende-los ao preço de livraria no seu blog ou site.

Nos últimos anos surgiram várias plataformas para escritores independentes. É o caso da gigante Amazon (onde autores consagrados também vendem) Kobo, Bookess, Google Play, Escrytos, são algumas das editoras que aceitam autopublicarão.
A auto publicação tem uma longa história e mesmo autores consagrados (Mark Twain, L.Ron Hubbard, Edgar Allen Poe) fizeram-no no passado antes de terem obtido o sucesso. Quanto às plataformas de publicação a amazon é quem oferece mais condições ao autor independente. Para além da possibilidade de poder publicar em papel (com óptima qualidade a preços baixos) tem também a publicação em ebooks ( KD Select – Kindle) plataforma que abriu os horizontes dos autores. Todos gostaríamos de ver os nossos trabalhos nos escaparates das livrarias, esse ainda é um sinal de credibilidade e muitas pessoas ainda pensam que autor independente não tem qualidade, mas pessoalmente creio que o meu trabalho não renderia tanto como nestas plataformas. Qual é o crivo para os autores independentes? Quem é que avalia a qualidade do seu trabalho? Os leitores. Quando um livro não tem qualidade não vende. É impossível vender um mau livro ou uma história mal engendrada. 
Caros autores, querem publicar e não sabem como? Comecem por publicar os vossos livros aqui, obtenham opiniões ( leva algum tempo, nada acontece no imediato) e depois aventurem-se na publicação. Em breve escreverei mais sobre a autopublicação.  

Sem comentários: