sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

A Mulher do Plantador de Chá - Opinião

"Um homem atormentado pelo passado?

Uma mulher perante a escolha mais terrível da sua vida.

Aos 19 anos, Gwendolyn Hooper abandona a Escócia para se encontrar com o seu marido, Laurence, em Ceilão, do outro lado do mundo. Recém-casados e apaixonados, eles são a definição do casal aristocrático perfeito: a bela dama britânica e o proprietário de uma das fazendas de chá mais prósperas do império.

Mas, ao chegar à mansão na paradisíaca propriedade Hooper, nada é como Gwen imaginara: os funcionários parecem rancorosos e calados, os vizinhos, traiçoeiros, e o seu marido, apesar de afetuoso, demonstra guardar segredos sombrios. Com Laurence ausente em trabalho, Gwen explora sozinha a plantação. Ao vaguear por locais proibidos, encontra várias portas fechadas e até um pequeno túmulo - pistas de um passado escondido.


Quando descobre estar grávida, a jovem sente-se feliz pela primeira vez desde que chegou a Ceilão. Mas, no dia de dar à luz, algo inesperado se revela. Agora, é ela quem se vê obrigada a manter em sigilo algo terrível, sob o preço de ver a sua família desfeita. Quando chegar o dia de revelar a verdade, será que ela vai ter o perdão daqueles que ama?"

Dinah Jefferies nasceu na Malásia e mudou-se para Inglaterra com nove anos. Estudou na Birmingham School of Art e, mais tarde, na Ulster University, onde se formou em Literatura Inglesa. Autora bestseller do Sunday Times, colabora com alguns jornais, entre eles o Guardian.

Depois de ter vivido em Itália e em Espanha, regressou a Inglaterra, onde vive com o seu marido e o seu cão, e passa os dias a escrever e a desfrutar dos tempos livres com os netos.

A Mulher do Plantador de Chá, que a Topseller agora publica, foi bestseller do Sunday Times e selecionado para o Richard and Judy Book Club.

Saiba mais sobre a autora em: www.dinahjefferies.com

OPINIÃO
Este livro esteve na pilha por ler durante algum tempo e, sempre que o olhava, tinha a sensação que ali estava uma pérola preciosa que eu ia adorar. Não me enganei!
A autora agarra o leitor logo nas primeiras páginas com uma narrativa simples e bem construída, dizendo o necessário e deixando outro tanto à imaginação do leitor. 
É um romance passado no século XX, no Ceilão - actual Sri Lanka - e passa-se no mundo das plantações de chá. Além de uma história de amor e perdas, é uma boa lição de história para quem desconhece como era no tempo da colónia inglesa. Aborda um assunto melindroso para a época - a mestiçagem - e fá-lo de uma forma magistral, levando o leitor no suspende até ao final, quanto ao destino da principal personagem feminina. 
Este foi um dos livros que me deu ressaca literária. Queria que continuasse e...continuasse...
Avaliei em 5 ***** na GoodReads.  

Sem comentários: