sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Deus Não Mora em Havana - Opinião

Yasmina Khadra, cujo verdadeiro nome é Mohammed Moulessehout, nasceu no Saara argelino em 1955. 


Só o facto de o autor ter escolhido um pseudónimo feminino já despertou a minha atenção e quando descobri o motivo ainda achei mais interessante. 
Tenho os meus autores preferidos, mas vou sempre lendo novos e, como este titulo me pareceu interessante, comprei o livro. Esteve na minha prateleira durante algum tempo, mas quando o comecei a ler, não parei. É um livro pequeno, lê-se rápido, mas fiquei muito surpreendida com o conteúdo. Não sei se o autor conhece Cuba e Havana - mas parece conhecer -, mas, como eu conheço, consegui, através da leitura, imaginar-me lá. Os sons, o cheiro, a descrição das gentes e da cultura, a interpretação do regime comunista, tudo está escrito de uma forma simples, mas tão cativante que me tocou profundamente. É um romance, ao nivel da escrita de Gabriel Garcia Márquez, que nos prende do inicio ao fim do livro. Mohammed é um escritor talentoso e decerto lerei outros livros seus. Para já recomendo vivamente esta leitura. 


Sinopse

No momento em que o regime castrista perde o alento, «Don Fuego» continua a cantar nos cabarés de Havana. Outrora, a sua voz electrizava as multidões. Agora, os tempos mudaram e o rei da rumba tem de ceder o seu lugar. Entregue a si próprio, conhece Mayensi, uma jovem «ruiva e radiosa como uma chama», pela qual se apaixona perdidamente. Mas o mistério que cerca essa beldade fascinante ameaça o seu improvável idílio.

Cântico dedicado aos fabulosos destinos contrariados pela sorte, Deus não Mora em Havana é também uma viagem ao país de todos os paradoxos e de todos os sonhos.

Aliando a mestria e o fôlego de um Steinbeck contemporâneo, Yasmina Khadra conduz uma reflexão nostálgica sobre a juventude perdida, incessantemente contrabalançada pelo júbilo de cantar, de dançar e de acreditar em amanhãs felizes.

Sem comentários: