sábado, 11 de junho de 2016

Como ter ideias para um romance


Há sempre quem julgue o escritor como alguém que nasceu inspirado, quiçá alguma competência que os deuses lhe deram por magia, ou  tão inteligente que tira histórias da mente, como um mágico tira coelhos da cartola.  Pois bem, fora de brincadeiras, o escritor é alguém que se esforça muito para chegar a um bom nível de escrita, seja qual for o género em que escreve. Mesmo no romance, considerado o género menor da literatura, requer muito empenho e pesquisa da parte de quem escreve para que a matéria desperte interesse ao leitor. Então, os escritores, são pessoas normalíssimas - que tentam fugir à normalidade - e que se distinguem das outras pessoas, por passarem a vida agarrados ao computador a escreverem histórias.

Os escritores são pessoas que transportam sempre um caderninho para apontar ideias - os do século XX, como eu, os mais novos tomam notas nos seus aparelhos sofisticados - que apanham no ar, uma ideia ou conversa que pode ser tema de um livro, mas que acima de tudo estudam muito , lêem muito, viajam, mas, acima de tudo observam a realidade à sua volta, a um nível global, graças à internet.
Não há escritor que não coloque pedaços de si e da sua própria vida em cada livro que escreve. quem já leu Gabriel Garcia Marquez, sabe que os livros dele retratam muitas das suas vivências. Ele próprio, afirma que o fez.
 Lesley Pearse, inspirou-se na sua vida da infância, vivida com dificuldades, para compor algumas personagens. Obviamente que ter-se inspirado em vivências suas, não significa que o livro seja a história de vida da pessoa, tratam-se de adaptações de proximidade com a vida das pessoas que serviram de inspiração.
Uma imagem, paisagem, acontecimento ou fenómeno da natureza podem servir de gatilho e daí resultar uma ideia que depois de pensada e desenvolvida durante dias, meses ou anos, poderá vir a tornar-se num livro.  Victor Hugo, escritor do século XIX que escreveu alguns romances, entre os quais "Os Miseráveis", inspirou-se nas vivências politicas tumultuosas da época - ao ponto de ter que se exilar de França - para escrever peças de teatro, romances e outros.

 É escritor iniciante, ou está a pensar meter mãos à obra, na tarefa de escrever um livro, e não sabe por onde começar?

Em primeiro lugar defina qual o género em que se sente confortável a escrever. Que género de livros lê mais? Pense nisso.
 Pessoalmente comecei pela poesia - porque me interessei e li muito - mas ainda hoje tenho tudo escondido na "gaveta". Há dias um colega do tempo de liceu recordou-me que eu escrevia nesse género quando tinha dezasseis anos.
Quando tive curiosidade em aprender mais sobre escrita, sempre pensei no romance. Iniciei a minha produção literária com uma saga familiar inspirada em factos reais ( Anna e Gabrielle) e, mais tarde comecei a escrever romances, que me dão muito prazer escrever. O meu primeiro livro continua a ser o meu preferido porque fiz o que quis. No entanto, não é dos mais vendidos,  porque é um drama e, as tendências de mercado no género romance, são para temas mais leves e com muito sexo. Não é o caso desta saga familiar que atravessa quatro gerações e que fala de incesto, um tema tabu na sociedade.
Há dias uma leitora do Brasil, deixou uma avaliação de 5***** no meu livro "O Homem do Deserto", confessando que tinha sido atraída pela sinopse, pois é fascinada por outras culturas; no entanto, viu-se surpreendida por uma trama que descreve um psicopata, personagem transversal a todas as culturas. E agora que falei no assunto acabei de recordar onde fui buscar a ideia para construir a personagem: a uma descrição que um colega fez de um psicopata que tinha acompanhado nos anos oitenta, em sessões de psicoterapia. Claro que a personagem nada tem a ver com a pessoa real a não ser na patologia. Qualquer escritor se pode socorrer da internet para pesquisar sobre psicologia e construir personagens, uma vantagem que os escritores anteriores ao fenómeno da internet, não possuíam tendo sempre que socorrer-se de outros livros. Há que saber filtrar a informação encontrada na net, nem tudo é verdade.
 A escrita, para mim, é a minha evasão pessoal, do final de um dia repleto de emoções, cansativo, gratificante e pleno de dramas de vida. É nesse mundo, o da escrita e da psicologia, que me sinto bem e realizada. Não tenha aspirações a ser uma romancista conhecida, nem a fazer a diferença no meio literário, só quero escrever.
  Gosto de histórias de vida  e é aí que vou buscar a minha fonte de inspiração. Esse é o meu "segredo". Escrevo sobre dramas da vida humana. Onde vou buscar a minha inspiração? Às minhas vivências, viagens, centenas de histórias de vida que já ouvi por via da minha profissão, de cenas que observo no dia a dia, nos livros que já li e leio, na natureza...tudo me serve para contar uma história. Neste momento tenho quatro livros pensados - são apenas ideias, ainda - trabalho para muito, mas, muito tempo mesmo, mas que um dia vai estar à venda.
Qual dúvida que tenham, podem contactar-me atráves de email (lidiacraveiro@gmail.com, ou ambrablanchett@gmail.com), e terei todo o gosto em responder a dúvidas, se souber.

Sem comentários: