quarta-feira, 8 de abril de 2015

Os conflitos e as personagens do romance/novela

Imagem retirada da intenet


Na literatura só os conflitos fazem a diferença entre uma boa história e um livro que ao fim do primeiro capítulo se abandona na estante fazendo companhia à lista dos que nunca vamos terminar de ler, a não ser num dia em que não tenhamos mais nenhum à mão e esteja num dia arrojado. Estou a brincar. Todos já abandonamos livros por falta de acontecimentos instigantes, acções a acontecer encadeadas umas nas outras, e personagens insipidas. Claro que conseguir escrever um livro que contenha uma série de sarilhos a acontecer em simultâneo, ou ao longo do livro, tem que ser tudo muito bem planeado. Convém planear primeiro o enredo, depois as personagens que vai meter ao barulho e depois capítulo a capítulo. Não se esqueça: não diga, mostre e não desvende cedo demais o enredo principal. Deixe o leitor sonhar e construir hipóteses. O papel do escritor consiste em arranjar problemas entre as personagens, arranjar situações altamente venenosas, conflitos abertos, conflitos velados, personagens dissimulados, crimes, roubos, enfim… todos ao barulho, dedos nas teclas do computador e a imaginação a funcionar. Divirta-se ao fazê-lo. Escrever é muito divertido. Os conflitos mais comuns são os interpessoais (maridos, mulheres, irmãos, mães, pais, sogras, patrões, filhos em conflitos diversos), estes são também chamados de conflitos de caracter, mas há mais conflitos: com a doença, a natureza, destino, sobrenatural, sociedade, entre outros. Há escritores que misturam tudo isto muito bem e nos tem dado grandes maravilhas, volto a citar “ Segue o coração” de Lesley Pearse, um dos melhores romances que li nos últimos anos. Ou Carlos Ruiz Zafon “ A Sombra do Vento”, um estilo diferente, mas onde as surpresas estão sempre a acontecer. Por vezes basta colocar várias personagens num espaço limitado e deixar a imaginação fluir: quem odeia quem e porquê, quem é o invejoso e porquê, quem ama quem e quais são os obstáculos para que fiquem juntos, quem é o criminoso e porquê…ponha a sua imaginação a trabalhar e conte a sua ideia a um amigo ou familiar que seja isento (é difícil mas há quem consiga) e considere a opinião dessa pessoa. Estou a escrever um novo romance, onde me atrevi a misturar um pouco de todos estes ingredientes e contei ao meu marido (sempre muito critico em relação ao que escrevo, mas no bom sentido, até porque é o meu aliado nesta aventura) e a resposta dele foi “ é um bom enredo, dá um bom romance, mas o título não pode ser esse”. Pronto lá vou ter que arranjar outro título para o livro, mas esse pode ficar para o final, o importante é continuar a escrever. A vida e o dia-a-dia estão repletos de conflitos e gente que se mete em sarilhos constantes. Se tomar atenção ao que se passa à sua volta e usar a técnica de que já falei aqui várias vezes (apontar as ideias num bloco de notas) vai ter material de sobra para escrever os seus livros.
Aproveito para vos informar que vou transferir a publicidade dos meus livros para um site bilingue (inglês e português) que vai ficar pronto no final da semana.
Esquecia-me de vos dizer que não tenham problemas de consciência em complicar a vida aos personagens sejam eles heróis ou vilões, afinal sem conflitos não existe livro que prenda o leitor. Ser mauzinho sabe muito bem quando se trata de construir personagens.


Sem comentários: