sábado, 28 de junho de 2014

Capítulo 15 (excerto)

Oregon 1964

Quando Mary a chamou à biblioteca sabia que o assunto era sério. Os assuntos importantes eram tratados naquela divisão. Não lhe apetecia ouvir sermões mas não lhe restava alternativa. Pensou seja o que Deus quiser e abriu a porta. Mary lá estava sentada na poltrona azul com ar sério. Como ela estava envelhecida. Há muito que não reparava nela e fazia o possível para que não a vissem durante o dia e, de noite fechava-se à chave e mesmo tendo pesadelos não deixava ninguém entrar no seu quarto. 
Sim Mary, não volto a desaparecer durante todo o dia. Sim Mary! Sei que ficas preocupada. Sim Mary! Sei que sou uma neta para ti. Sim Mary! Já me disseste inúmeras vezes que criaste o meu pai e que é como um filho para ti…Sim Mary! Um pai não se trata assim, mas tu não sabes o que ele me fez…nem vais saber…prefiro morrer.
- Chega aqui filha. Quero falar contigo.
Gaby sentou-se e recatadamente virou as longas pernas de lado, unindo-as para que não ficasse visível mais do que o necessário. Nos últimos tempos baixou muito a bainha dos vestidos – ela própria o fez-, e começou a vestir na maioria das vezes calças e blusas largas. Disfarçar as generosas formas femininas que os seus treze anos lhe ofereceram era o seu propósito. Sentou-se pacientemente junto de Mary, a única pessoa que não a tinha traído dentro daquela casa, a única não, não estava a ser justa com o velho índio. Nos últimos três anos tinha sido ele o aliado nas suas fugas e desaparecimentos misteriosos.

- Sabes que estou a ficar muito velha Gaby, tenho setenta e seis anos e sinto-me cansada e, o que mais preocupa é ver-te nesse sofrimento. De uma vez por todas, filha, diz-me o que se passa contigo! Mudaste muito nos últimos três anos e, eu não sou cega. És uma jovem linda e trajas como se fosses um homem. Para além disso que eu considero ser um atentado à tua beleza, desapareces dias inteiros quando não estás na escola. Gaby! Algo de muito grave se passa contigo! Diz-me filha! Confia em mim.- suplicou de mãos postas .

Sem comentários: